- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Rosa nocturna

Vasco Graça Moura / Mário Pacheco
Repertório de Ana Sofia Varela 

Dei-te uma rosa e no espelho 
Entre a sombra e o vermelho 
Estranhaste o seu clarão
Agora, só a debrua 
A luz irreal da lua
No vago da escuridão 

Nela vi quanto dizias 
Davas, rias, prometias / Vão murmúrio, vão rumor 
Louca, louca esta existência 
Tresloucada incandescência / Que o sangue lhe vinha pôr

E era tão intensa a vida 
Que a fugaz rosa colhida / Já nem no espelho perdura
Faz-se rosa em desalento
Que a noite, mesmo sem vento / Só de a tocar, desfigura 

Vão-lhe as pétalas caíndo 
À medida que fugindo / A lua desaparece
E a manhã, quando desperta 
Já só vê a forma incerta / De uma réstea que estremece 

Triste vida a que me afoite 
A fazer de cada noite / Uma flor, uma quimera
Mas rosa, a rosa terás 
Outra, outra e outra atrás / Da que morre à tua espera