- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Recorda-te de mim

Domingos Gonçalves da Costa / Joaquim Campos *fado alexandrino*
Repertório de Beatriz da Conceição
Muito embora esteja registado em nome de D.G.Costa este poema 
foi escrito por: Armando Costa

Recorda-te de mim, já não sou a criança
Que envolta em ilusões em tudo acreditou
Hoje sou a mulher a quem roubaste a esperança
De ver realizados os sonhos que sonhou

Recorda-te de mim e vê nos olhos meus
A ternura sem par que deste olhar se solta
Que tu dizias ser a luz dos olhos teus
E tudo suportou sem gritos de revolta

Recorda-te de mim, que à
 tua despedida
Nem um adeus sequer da tua boca ouvi
E perdida de amor, quase perdi a vida
Por ter, p'ra meu castigo, acreditado em ti

Hoje, desfeitas já minhas esperanças fagueiras
Vivo sem ter amor mas sou feliz assim
Não te quero jamais, nem peço que me queiras
Mas ao mentires a alguém, recorda-te de mim