- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.395 LETRAS <> 2.460.000 VISITAS <> ABRIL 2022 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Ciganita

Letra e musica de Júlio Vieitas 
Repertório de César Morgado 

Nunca mais vi aquela ciganita 
Que passava ligeira à minha rua 
Lendo a sina a qualquer, muito expedita 
Mas nunca adivinhou a sorte sua 

Segundo ouvi dizer, ao que parece
Alguém lhe arrebatou o coração
E o pobre cigano que a não esquece
Noite e dia cantava esta canção

Linda cigana
Beleza da minha raça
Volta para a caravana
Não faças minha desgraça
Quem te roubou
Onde estás que eu te não vejo?
Foi alguém que nunca te amou 
E quis matar um desejo;
Se fores culpada
Deste passo, certamente
Terás de ser renegada 
Pela fé da nossa gente

Passou-se muito tempo, até que um dia
Farto de esperar por ela, adoeceu
Sem ter fé, nem esperança ou alegria
O pobre do cigano enlouqueceu

Porém, ela voltou abandonada
Pelo vil sedutor, sem compaixão
Ao longe, ainda se ouve contristada
Uma voz que entoava esta canção