- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Alma do Ribatejo

Romeira Alves / Jorge Fontes 
Repertório de Fernando Maurício 

Ribatejo é aguarela
Que Deus criou com amor
É de todas a mais bela
Pintada p’lo criador

A campina, largo céu
De sacrifício e de glória
Onde um campino escreveu
A sua história sem história 

O campino... assim que o sol aparece
Erguendo ao céu uma prece, montado em seu alazão
É o arauto do eterno labutar
De quem procura encontrar a certeza de seu pão
E a campina... imensa a perder de vista
Vencida pela conquista do homem rude e valente
É um hino que a natureza criou
E que o campino gravou no seu peito eternamente 

Tem a campina o segredo
Duma epopeia sagrada
Homens que lutam sem medo
E que dão tudo por nada 

O segredo do valor
Do homem simples e são
Que conquista sem temor
A terra, a vida e o pão