- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.315 LETRAS <> 2.220.000 VISITAS <> JULHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Eternos rituais

Ana Vidal / José Campos e Sousa
Repertório de António Pinto Basto

Percorro palmo a palmo o teu desejo
E palmo a palmo sinto-me vibrar
Primeiro, na lenta perfeição de um beijo
Que nos acende o corpo, devagar;
Tão devagar que sinto mais que vejo
Morrer na minha pele o teu olhar

Depois, nas mãos que inventam sábiamente
Novos desenhos, esboços delirantes
Perdidos tempo e espaço, de repente
Partimos à deriva, viajantes;
Somos cinco sentidos, simplesmente
Por novas dimensões alucinantes

E assim, de sal e mel embriagados
Cumprimos os eternos rituais
E ao som de coros loucos, inspirados
Dançamos com o vento nos trigais;
Entre a terra e o céu, entrelaçados
Senhores do universo uma vez mais

Por fim, quando o desejo é já cansaço
E voltamos a nós, devagarinho
Ancoramos na calma de um abraço
Feito de gratidão e de carinho;
E é prazer ainda, quando passo
A mão, no teu cabelo em desalinho