- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Corrido dos botões

Diogo Clemente / Popular *fado corrido*
Repertório de Sara Correia 

De saudades fala a gente
Tantas vezes sem razão
Saudades só quem as sente
É que sabe o que elas são

Cada noite aqui te vejo / Junto da minha janela
Somos o vento e a vela / De um barco que não desejo
Trazes mentiras e um beijo / Na boca de quem não sente
Não me iludo por quem mente / Digo eu, prós meus botões
E a fugir das ilusões
De saudades fala a gente

Hoje sol, ontem luar / Ora luz, ora sol posto
És como as tardes de agosto / Vão e vêm devagar
Eu acabo por esperar / Entre nós e a solidão
Não há tempo nem razão / Quando às tuas mãos perdida
Esqueço as horas e a vida
Tantas vezes sem razão

Fica o silêncio profundo / Das horas em que não estás
Mas tu chegando, és capaz / De me levar num segundo
Tendo-te, amor, por meu mundo / Tenho o mundo à minha frente
Falam da vida da gente / E a quem ouve são verdades
Só não falem de saudades
Saudades, só quem as sente

Depois de tanto esperar / Entre sinais e segredos
Malfeito fora se os medos / Não ocupassem lugar
E ainda que o teu olhar / Siga as pedrinhas do chão
Eu dei-te o meu coração / E aqui me tens p’lo que for
Só quem tem penas d’amor
É que sabe o que elas são