- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Encontro

Mané Santos / Nel Garcia
Repetório de Mané Santos

Eu nasci em mês de Outono
Liberta em meu abandono
De criança apetecida
Soltei gritos de amargura
Busquei braços de ventura
Respirei… e senti vida

Em maré fria d’inverno
Bebi luz de sol eterno / Fui à procura de mim
Só encontrei o meu corpo
Leme de barco sem porto / Porque o mar o quis assim

Depois, teimei em viver
Fiz-me flor só p’ra saber / Se alguém ao vê-la, parava
E minha ânsia de quimera
Morreu nessa Primavera / Sem saber que te encontrava

Então, sonhei que existias
Pedi a Deus por meus dias / Tive saudades de ti
Encontrei-te em madrugada
Amei-te numa alvorada / Senti teu corpo… e vivi