- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Embriaguês do amor

Júlio Vieitas / Alfredo Duarte *fado cravo*
Repertório de Julio Vieitas

Se o vinho faz reviver
Os grandes padecimentos
Aos infelizes mortais
Não deixarei de beber
E p’ra sentir sofrimentos
Cada vez beberei mais

Eu sou mais feliz sofrendo
Todo o mal que muita gente / Apelidou de daninho
Pois só bebendo me lembro
Daquela que eternamente / Me fará louco, com vinho

Sem vinho não penso nela
Ando tristonho e sereno / Olvidando tal miragem
Mas por ‘inda gostar dela
Bebo vinho, esse veneno / Para ver a sua imagem

Sou bobo da populaça
Um farrapo, um anormal / Sou fantoche, o mundo diz
Mas não importa a desgraça
Pois só ébrio, eu afinal / Penso nela e sou feliz