- - - - -

- - - - -
Clique na imagem e oiça Fado
- - -
Ninguém ignora tudo, ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa, todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre
PAULO FREIRE *filósofo* 19.09.1921 / 02.05.1997
- - - - -
As 5.585 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores.
- - - - -
Use o motor de busca *barra de links* para pesquisa rápida e fácil.

Fado do cauteleiro

Frederico de Brito / Júlio de Sousa *fado loucura*
Repertório de Estevão Amarante

Sem ter norte nem ter lar
Dizem p’raí que dá sorte
O que é pra mim tanto azar
É loucura que eu desdenho
Andar da sorte à procura
Da pouca sorte que eu tenho

Sem carinho pelas ruas e vielas
Apregoando as cautelas 
Vou seguindo o meu caminho
E quem me ouve cantarolar esta moda
É o mil duzentos e quarenta e nove  
Que amanhã é que anda à roda;
Sente a vibrar como um fado
O pregão dum desgraçado

Se um malvado ri de mim
Não vê que eu sendo aleijado
Minha alma não é assim
Quem da sorte ri dos mais
Não se lembra que na morte
Nós somos todos iguais