- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Esta cidade e o fado

Carlos Baleia / Daniel Gouveia
Repertório de Daniel Gouveia 

Gosto de ser deste povo
Fruto de uniões bizarras
Que parte e volta de novo
E ouve o choro de guitarras

Trinados de nostalgia
E voz que sabe sofrer
Dão à Bica e Mouraria
A sua forma de ser

Nasceu duma teia e sem dar por isso
Canto de sereia lançou-lhe feitiço
Sem quatro caminhos, nem rezas de encanto
Com muito carinho e algum quebranto;
De noite aparece envolto em magia
Logo que amanhece perde a fantasia
Não usa maldade, não tem mau-olhado
É voz da cidade e chama-se fado

Lisboa que não desiste
De sorrir ao seu passado
Põe um ar sombrio e triste
Quando o fado anda calado

Gosta de ser da cidade
Que sendo uma feiticeira
Logo que chega a saudade
Põe o xaile e é cantadeira