- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.570 LETRAS PUBLICADAS <> 2.630.000 VISITAS < > NOVEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Sou como a água do rio

Mário Martins / Carlos Neves *fado tamanquinhas*
Repertório de Lenita Gentil

Se fui rio já me não lembro
Só sei que corri demais;
Numa busca de oceano
Num esforço desumano
De banhar praias iguais

De encontro ás margens, feri-me / Mas o destino era a foz
Nem diques me detiveram
As fontes que me esqueceram / Enriqueceram-me a voz

No meu canto há branca espuma / E há sedimentos de lodo
Mas se há momentos de calma
Eu convida a minha alma / A reflectir o céu todo

As pontes que me atravessam / São as certezas que tenho
Que ao cantar de olhos fechados
Vejo os pólos limitados / E o mundo do meu tamanho