- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A fadista

Manuela de Freitas / Pedro Rodrigues *fado primavera*
Repertório de Ana Moura


Vestido negro cingido 
Cabelo negro comprido
E negro xaile bordado
Subindo à noite a avenida 
Quem passa julga-a perdida
Mulher de vício e pecado;
E vai sendo confundida
Insultada e perseguida
Pelo convite costumado

Entra no café cantante 
Seguida em tom provocante / Pelos que querem comprá-la
Uma guitarra a trinar 
Uma sombra devagar / Avança p'ró meio da sala
Ela começa a cantar 
E os que a queriam comprar / Sentam-se à mesa a olhá-la

Canto antigo e tão profundo 
Que vindo do fim do mundo / É prece perante o pregão
E todos os que a ouviam 
À luz das velas, pareciam / Devotos em oração
E os que há pouco a ofendiam 
De olhos fechados ouviam / Como a pedir-lhe perdão

Vestido negro cingido 
Cabelo negro comprido / E negro xaile traçado
Cantando p'rá aquela mesa
Ela dá-lhes a certeza / De já lhes ter perdoado
E em frente dela na mesa
Como em prece a uma deusa / Em silêncio ouve-se o fado