- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Por passares

Diogo Clemente / Vitorino
Repertório de Sara Correia


Ponho a mesa, arranjo as flores
Visto o meu melhor vestido
É domingo e o meu amor
Vem de lá só p’ra me ver;
Já perdi tantos amores
Que me trazem no sentido
E seja lá o que isto for
Vou chamar-lhe amor e crer


Ponho a voz no coração / A guiar tudo o que faço
Sem ligar ao que se diz / Sobre o frio das minhas dores
Entreguei-me à sua mão / P’ra cuidar do meu cansaço
E a contar em ser feliz / Ponho-a na mesa, arranjo as flores

Trago aqui dentro de mim / Aquilo que eu não digo
O silêncio que ao chegar / Calou tudo o que sonhei
Viu-te entrar no meu jardim / E eu morrer de amor contigo
Viu-te ires p’ra outro lugar / E que eu nunca mais na vida amei

Ponho a mesa, arranjo as flores / Seco as lágrimas e canto
E à janela vou ficar / Com o sol esqueço-me de ti
Acordei as minhas dores / Por te ver neste entretanto
Por passares só por passar / A lembrar-me que morri