- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ FEVEREIRO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Negrura

Miguel Torga / Bernardo Couto
Repertório Francisco Salvação Barreto

Neste dia sem luz que me anoitece
Que me sepulta inteiro
Até de mim a minha dor se esquece
Para que eu seja um morto verdadeiro

Chove tristeza fria no telhado
Do castelo do sonho, nua, nua
A calçada que subo, já cansado
De tanto andar perdido nesta rua

Duma olaia caiu, morta, amarela
Qualquer coisa que foi princípio e fim
E bem olhada, bem pensada, é ela
Aquela folha que lutou por mim

Sozinho e morto ouço cantar alguém
Mas é longe demais a melodia
E o ouvido que vai nunca mais vem
Trazer-me a luz que falta no meu dia