- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Dia não

Manuela de Freitas / Pedro de Castro
Repertório de Kátia Guerreiro

Acordei, era domingo / Saltei da cama contente
Nas torneiras nem um pingo / Nem nas tomadas corrente
Quis fugir à barulheira / Do vizinho c’oas mudanças
Na escada, a minha porteira / Deu-me um postal das finanças
Dia não é dia não

Tentei comer sossegada / Na tasca da minha rua
A carne vinha queimada / A batata vinha crua
Depois fui ao “Corte Inglês” / Para assistir à sessão
Era um filme japonês / Legendado em alemão

Passeando à beira rio / Apeteceu-me ouvir fado
Fui à “tasca do vadio” / O Chico tinha faltado
Era tal a ganideira / Quis fugir mas ao pagar
Dei por falta da carteira / Inda tive de cantar
Dia não é dia não

Saí com um grão na asa / Uma nódoa no casaco
Perdi as chaves de casa / Acabou-se-me o tabaco
Deitando contas à vida / Comecei a andar a pé
Atravessei distraida / Fui para a São José
Dia não é dia não

Por ter uma mão dorida / Fiquei três horas na bicha
E quando fui atendida / Houve um engano na ficha
Acordei na enfermaria / E alguém disse com voz terna
Correu bem a cirurgia / Engessámos-lhe uma perna
Dia não é dia não

Em descanso finalmente / Pensei, ao ver-me em pijama
Ele há dias em que a gente / Não deve saír da cama
Dia não é dia não