- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Quis-te tanto, meu amor

João Fezas Vital / Verónica
Repertório de Vasco Rafael

Quis-te tanto, meu amor
Como quem quer um lençol
Onde se guarda o suor
Dum cansaço com razão;
Lençol que me acolhesse
Quando se me acaba o sol
E tudo em mim, entristece
Bordado p’la tua mão

Quis-te tanto, meu amor
Que me traí em segredo
Num soluço com a dor
De quem trai uma criança;
Quis cantar tudo o que sei
Como quem grita de medo
Fora de casa e da lei
Quando o amor é já sem esperança

Quis cantar o que te quero
Com a voz com que te chamo
Meu amor de desespero
Minha raiva e aflição;
Cantar, cantar, e morrer
Na varanda de oceano
Que se ergueu de ti, mulher
Nesta minha solidão