- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado cravo

Fernando Teles / Alfredo Duarte *fado cravo*
Repertório de Alfredo Marceneiro

Foi em noite de luar
Na noite de São João
Que eu te vi, oh minha amada
No baile foste meu par
E dei-te o meu coração
Foste minha namorada

Andámos na roda os dois
E saltamos à fogueira / Meu peito era uma brasa
Findou o baile e depois
Foste minha companheira / Levei-te p’ra minha casa

Nessa madrugada santa
Por meu mal me deste um cravo / No lado esquerdo o guardei
Minha paixão era tanta
Fui do teu capricho escravo / Eterno amor te jurei

Foram dias decorrendo
Semanas, um ano feito / De amor eu tinha a fragância
Mas o cravo murchecendo
Revelava que o teu peito / Não tinha a mesma constância

Numa noite, ao conhecer
Mentira no teu amor / De raiva desfiz o cravo
Não mais quis por ti sofrer
Deitei fora a murcha flor / Deixei de ser teu escravo