- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

A casa fechada

João Monge / José Marques *fado triplicado*
Repertório de António Zambujo

Aquela casa fechada
Não tem vasos na entrada
Nem se vê luz de uma vela
Dizem que a csa está morta
Já ninguém lhe bate à porta
Nem lhe assoma da janela

Às vezes passam rapazes
P’ra mostrar que são capazes / Jogam pedras ao telhado
Esse lar que ninguém quer
Já foi de homem ou mulher / Antes de ser condendo

Aquela casa fechada
Onde o sol tinha a morada / E entrava sem bater
Já foi estimada por ti
Noutros tempos que eu vivi / E não consigo esquecer

No dia em que tu partiste
A casa ficou tão triste / Desde aí que não a vejo
Fechei a porta da escada
Fiz uma cruz na entrada / E mandei a chave ao Tejo