- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.395 LETRAS <> 2.460.000 VISITAS <> ABRIL 2022 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Gonçalo Velho

Amadeu Augusto dos Santos / Raúl Ferrão
Repertório de Hermínia Silva

Este navio, o Gonçalo
É pequenino, deixá-lo / Mas é valente e resiste
E p’rós que ousam duvidar
Chega bem p’ra lhes mostrar / Que Portugal ‘inda existe

Um navio era preciso
P’ra a Armada tomar caminho / E ter uma esquadra enorme
E como se chama “aviso”
É p’ra avisar o povinho / De que a Marinha não dorme

Ser marinheiro
É ser bravo, é ser valente
É amar este cantinho
Que se aperta assim na mão
Ser marinheiro
É trazer constantemente
Portugal todo inteirinho
Cá dentro do coração

Por já estar muito velhinha
A velha esquadra não prova / É dito já velho e relho
Para dar força à Marinha
Mas p’ra vir a esquadra nova / Lá foram buscar um velho

É mais uma fortaleza
Com que a Marinha de guerra / Vai doravante contar
E defender com nobreza
Este pedaço de terra / Que nos custou a ganhar