- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.107.500 VISITAS /*/ ABRIL 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa >

Tempos que já lá vão

Domingos Gonçalves da Costa / Popular *fado corrido*
Repertório de Julio Peres  


É como a lenha queimada
Dos velhos o coração
As cinzas são as saudades
Dos tempos que já lá vão 


Quando o inverno da idade / Nossa cabeça embranquece
A gente julga que esquece / A risonha mocidade
Mas envolvida em saudade / A nossa alma amargurada
É cinza quase apagada / De lareira crepitante
E a mocidade distante / 
É como a lenha queimada 

Assim a vida decorre / Como esfera num declive
Nossa vida aos poucos morre / E a gente a pensar que vive
Então dentro em nós revive / Esta cruenta ambição 

Voltar aos tempos de então / Voltar a ter mocidade
E é quando a tristeza invade / Dos velhos, o coração 

Então a vida anoitece / Triste, gélida, sem luz
E é bem mais pesada a cruz / Que a gente arrastar parece
Uma lágrima aparece / Saída do coração
Rosa de orvalho em botão / Que as nossas faces invade
Cai e junta-se à saudade / Dos tempos que já lá vão