- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Desencontro

Maria da Conceição Piedade / Jerónimo Bragança
Repertório de Maria Leopoldina da Guia


Boca fechada, braços caídos, olhos sem vida
Desencontrada, cinco sentidos, alma perdida
Horas de sonho, horas de mágoa, dor sem remédio
Cinzas de beijos, fim de desejos, horas de tédio

Rosa dos ventos contrários... serei
Ou serei onda do mar... não sei
Venci amarras e escolhos, abri os olhos
Não te encontrei
O sorriso de ninguém... sorriu
No rasgão da minha boca
Como as nuvens, uma a uma
Corre a vida como louca
Atrás de coisa nenhuma

Pelos escombros dos meus assombros, rastejam passos
E folhas d’hera na primavera, lembram teus braços
O vento norte duma lembrança, sacode a calma
E vem mais forte a tua imagem, á minha alma