- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.552.800 VISITAS < > AGOSTO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Azenha velhinha

Letra e musica de Frederico de Brito
Repertório de Manuel de Almeida


Aquela azenha velhinha
Na margem da ribeirinha
Que por vales serpenteia;
Foi testemunha impassível
Da tragédia mais horrível
Que houvera na minha aldeia

Naquela noite de inverno
O céu parecia um inferno / Estavam os astros em guerra
E a ribeira mal sustinha
A grande cheia que vinha / Pelas vertentes da serra

Vendo a ribeira a subir
O moleiro quis fugir / Levando o filho nos braços
Pela ponte carcomida
Já velhinha e ressequida / A desfazer-se em pedaços

Mas ai, a ponte quebrou-se
E o moleiro como fosse / Na cheia da ribeirinha
Levou o filho consigo
E nunca mais moeu trigo / Aquela azenha velhinha