- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado da Bica

Carlos Conde / Jaime Santos *fado da bica* 
Repertório de Amália 

Quem diz que o amar que custa
Decerto que nunca amou
Eu amei e fui amada
Nunca o amar me custou

Fiando junto à lareira / Dizia a avó à netinha
Ao tempo que esta mantinha / O crepitar da fogueira

Meu amor, não há maneira / De fugir à fé robusta
Da paixão que não assusta / Quem pecou por ter amado
Porque só cai em pecado
Quem diz que o amar não custa

A neta, ao ver-se enleada / No seu íntimo segredo
Apenas sorriu a medo / E quedou-se envergonhada

Fingindo não dar por nada / A avó continuou
Quis um dia ao teu avô / Como ele me quis a mim
E quem nunca amou assim
Decerto que nunca amou