- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.350 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Cinzas de Novembro

Joaquim Ramalho / Carlos da Maia *fado perseguição*
Repertório de Chico Madureira

Reguardo os sonhos do peito
Deixo o coração bater
Sem túmulto, docemente
Amarro o leme da vida
Navego sem querer saber
E lembro o teu corpo ausente

Cinza de céu de Novembro
Enfeitem de névoa e luz / A cama, como um navio
No abandono do cais
As promessas da manhã / São horizonte vazio

Rasga-se a voz da memória
Que resta, contando a história / De tudo o que já passou
As tempestades levaram
Qualquer troféu de vitórias / Que a nossa vida deixou

Se nunca mais te encontar
E o tempo passar por nós / Escrito em traços repetidos
Prometo guardar nos braços
O calor dos teus abraços / Como o sol dos meus sentidos