- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Ciganita *F.Farinha*

João da Mata / Armando Augusto Freire *Armandinho*
Repertório de Fernando Farinha

Andava de feira em feira / Lendo a sina a toda a gente
Ciganita feiticeira / Linda como o sol poente
De Moura a Vila Viçosa / De Estremoz a Montemor
Jornada longa e penosa / Que ela sabia de cor

Os seus olhitos errantes / Magoados, sonhadores
Eram o sol dos feirantes / Estrela dos lavradores
Em todos tinha um amigo / Como se houvesse fartura
De colheita e de ventura / Nos seus olhos cor do trigo

E a ciganita, das sombras humilde escrava
Prometia a toda a gente riqueza e felicidade
Tão expedita nas orações se mostrava
Que o povo ficava crente como se fosse verdade

No entanto, na sua lida / De mistério desvendar
A sina da própria vida / Nunca soube adivinhar
Um dia, no seu labor / Surgiu figura imponente
Um moço da sua cor / Mas de raça diferente

Palavras que nunca ouvira / Ela ouviu, ela escutou
Fossem verdade ou mentira / A jovem acreditou
Novo rumo, nova cruz / Alcançaria por ele
E lá seguiu atrás dele / Como a sombra atrás da luz

Escorraçada logo se viu, p’lo seu povo
O culpado foi-se embora, desprezando a ciganita
Desamparada, às feiras voltou, de novo
A ler sinas como outrora, mas já ninguém acredita