- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Nas tuas mãos

José Guimarães

Nas tuas mãos... trago o sonho que sonhei
Trago a vida que te dei, trago tudo o que não tive
Nas tuas mãos... há carícias a nascer
Há amarras p’ra prender meu corpo que p’ra ti vive

Nas tuas mãos... há ternuras inventadas
Há noites e madrugadas, há gestos de amor e paz
Nas tuas mãos... no rosário dos meus dias
Vou desfiando alegrias nas tristezas que me dás

Nas tuas mãos... eu sinto o frio das minhas
E os desejos que adivinhas, ficam em fogo depois
Nas tuas mãos... quando as minhas mãos seguras
Na razão, vejo loucuras, o mundo somos nós dois

Nas tuas mãos... sinto afagos de criança
E vejo fios de esperança tecendo um mundo melhor
Nas tuas mãos... vejo uma prece sentida
E vou pôr a minha vida nas tuas mãos... meu amor