- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Querer cantar

Letra e musica de Diogo Clemente
Repertório de Raquel Tavares

No canto em que sentado escreves p'ra mim
Cartas d'amor, cartas sem fim
As palavras entrançadas nas linhas desse papel
Enleiam-me o coração num fio de mel

E adoçam a guitarra dos sentidos
Que embala a minha voz em tons gemidos

Querer cantar
Rodar o tempo, o pensamento e querer cantar
Beber o brilho desses olhos, laços de luar
Amar o vento, a liberdade e os teus lábios por beijar
Querer cantar
Sentir a espuma, rasgo d'água do teu mar
A areia ardente de saudades a chamar por ti
E peço á noite que me acoite
Na vontade de te ter aqui

Se perco o meu olhar numa canoa
Presa no cais desta Lisboa
E roubo ao fim de tarde, a doce nostalgia
Do amor feito na tarde do nosso dia

Gaivotas vão deixar o rio parado
Levando mais um beijo por recado