- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ FEVEREIRO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

BARRA DE PESQUISA

Não fui eu

Letra e musica de Jorge Fernando
Repertório do autor

O Cristo inerte preso na cruz
A luz da vela que o reduz
A sombra triste na parede entrecortada;
Dos lábios solta-se, indulgente
A prece inútil do não crente
Entre palavras que por si não dizem nada

Não fui eu, não fui eu

Não deixei a porta aberta
Não fui eu, não fui eu

Ficou-me a casa deserta

Há como um fugídio rumor
De passos, no corredor
Induzem na minh'alma a dôr da esperança vã
Sinais do tempo a humedecer
A voz que teima em enrouquecer
E o corpo dorido pela noite no divã

Como esta febre me destrói
Perdido amor, quanto me dói
Desceste em mim o cruel manto da tristeza
Em cada noite morro, amor
Que a solidão faz-me maior
Mal amanhece e volta o medo que anoiteça