- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Não passes com ela à minha rua

Carlos Conde / Miguel Ramos *fado alberto*
Repertório de Fernanda Maria


Ao fim de tantos anos de ser tua
Amaste outra, casaste, foste ingrato
Vi-te passar com ela à minha rua
Abracei-me a chorar ao teu retrato

Podia insultar-te quando te vi
Ferida neste amor supremo e farto
Mas vinguei-me a chorar, chorei por ti
Por entre as persianas do meu quarto

Eu bem sei que me tentas convencer
Mas o que me propões, não é bastante
Se não servi, p'ra ser tua mulher
Também não devo ser a tua amante

Casaste, sê feliz, Deus te proteja
Não te desejo mal, e tanto assim
Que não tenho ciúme nem inveja
Como a tua mulher teve de mim

Mas olha meu amor, eu não me importa
Antes que fosses dela, eu já fui tua
Podes sempre bater à minha porta
Mas não passes com ela à minha rua

-
Informação de Francisco Mendes e Daniel Gouveia
Livro *Poetas Populares do Fado-Canção*

Um dos exercícios mais difíceis que se pode pedir a um letrista, sendo homem de corpo e espírito, é fazer fados para mulher, visto ter de se «travestir» mentalmente. E quando esses fados se 
destacam pela qualidade, aí o temos o letrista a receber pedidos, por parte das fadistas mais em voga, no louvável desejo de terem o seu próprio repertório. Algumas dessas fadistas devem parte 
da sua carreira aos êxitos que Carlos Conde pôs nas suas bocas, com a mesma intensidade de sentimentos, o mesmo poder evocativo, o mesmo imprescindível sabor a Fado. Para tanto, é necessário, além de muito hábil versejador, ser-se um sagaz conhecedor da psicologia feminina. Repare-se que o contraste, recurso elevado a tipo de Fado, está sempre presente, com o efeito de surpresa, quase teatral, associado.

O exemplo que se segue *Foste Meu* mais conhecido posteriormente por *Não Passes Com Ela à Minha Rua* foi escrito para o repertório de Maria da Saudade, em 1941. 
Mais tarde, no entanto, outras vozes de gabarito o adoptaram.