- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Foi Deus

Alberto Janes 
Repertório de Amália 
Este é talvez o trecho mais emblemático deste autor, com letra e música suas
reveladoras de extraordinária inspiração. Criação de Amália Rodrigues.
Informação de Francisco Mendes e Daniel Gouveia
Livro *Poetas Populares do Fado-Canção*

Não sei, não sabe ninguém 
Porque canto o fado 
Neste tom magoado de dor e de pranto 
E neste tormento, todo sofrimento 
Eu sinto que a alma
Cá dentro se acalma nos versos que canto 

Foi Deus que deu luz aos olhos 
Perfumou as rosas
Deu oiro ao sol e prata ao luar 
Foi Deus que me pôs no peito 
Um rosário de penas 
Que vou desfiando e choro a cantar 

Quem pôs as estrelas no céu
E fez o espaço sem fim
Deu o luto às andorinhas
E deu-me esta voz a mim

Se canto, não sei o que canto 
Misto de ventura, saudade, ternura 
E talvez amor 
Mas sei que cantando sinto o mesmo quando 
Se tem um desgosto e o pranto no rosto 
Nos deixa melhor 

Foi Deus que deu voz ao vento 
Luz ao firmamento
E deu o azul às ondas do mar 
Foi Deus que me pôs no peito 
Um rosário de penas que vou desfiando 
E choro a cantar 

Fez poeta o rouxinól
Pôs no campo a alecrim
Deu o luto às andorinhas
E deu-me esta voz a mim