- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado da pouca sorte

Ary dos Santos / Fernando Tordo
Repertório de Carlos do Carmo

De manhã a vender na Avenida
Ou à tarde nas ruas da Baixa, está o cauteleiro
A gritar que há horas na vida
Há carteira de que não tem pão porque não tem dinheiro

Tantos contos que são a taluda
Tantas notas sonhadas só ele as atira p'ro ar
Já que a sorte da gente não muda
Que tristeza termos de pensar que isto vai a jogar

Quinze mil quatrocentos e três
Nove mil trezentos e dez
Mas o mal que o dinheiro nos fez d
urante a vida toda
Amanhã não anda a roda!

Um bilhete que sabe a desgraça
Uma vida passada à espera da terminação
Mas o cauteleiro é que passa
A má sorte jogada no duro da aproximação

A voz lenta apregoa a cautela
Esperança louca de quem nunca teve uma nota na mão
Mas a sorte também tem com ela
A miséria de quem fez do jogo o seu ganha-pão