- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Duas cidades

Lopes de Almeida / Manuel dos Santos
Repertório de Adelina Silva

Lisboa canta vaidosa / Bairro Alto e Mouraria
Também eu canto orgulhosa / Minha Sé e Banharia

Se Lisboa tem a Graça / E por graça ri contente
O Porto mostra a quem passa / A graça da sua gente

Oh Lisboa vvaidosa alfacinha
Vês sete colinas no espelho do Tejo
Donairosa, gaiata, raínha
És a mais formosa mas eu não te invejo;
Sou tripeira, meu Porto é um tesouro
Tem sua beleza, cidade velhinha
A Ribeira namorando o Douro
É mais portuguesa que tu, oh raínha

Perde o orgulho, oh capital / Não rias de quem é pobre
Se é na pobreza, afinal / Que vive a gente mais nobre

Tu recordas concerteza / Que para teres o conforto
Da boa carne, na mesa / Comeu as tripas, o Porto