- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Duas cidades

Lopes de Almeida / Manuel dos Santos 
Repertório de Adelina Silva

Lisboa canta vaidosa / Bairro Alto e Mouraria
Também eu canto orgulhosa / Minha Sé e Banharia

Se Lisboa tem a Graça / E por graça ri contente
O Porto mostra a quem passa / A graça da sua gente

Ó Lisboa vaidosa alfacinha
Vês sete colinas no espelho do Tejo
Donairosa, gaiata, raínha
És a mais formosa mas eu não te invejo;
Sou tripeira, meu Porto é um tesouro
Tem sua beleza, cidade velhinha
A Ribeira namorando o Douro
É mais portuguesa que tu, oh raínha

Perde o orgulho, oh capital / Não rias de quem é pobre
Se é na pobreza, afinal / Que vive a gente mais nobre

Tu recordas concerteza / Que para teres o conforto
Da boa carne, na mesa / Comeu as tripas, o Porto