- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Duas cidades

Lopes de Almeida / Manuel dos Santos
Repertório de Adelina Silva

Lisboa canta vaidosa / Bairro Alto e Mouraria
Também eu canto orgulhosa / Minha Sé e Banharia

Se Lisboa tem a Graça / E por graça ri contente
O Porto mostra a quem passa / A graça da sua gente

Oh Lisboa vvaidosa alfacinha
Vês sete colinas no espelho do Tejo
Donairosa, gaiata, raínha
És a mais formosa mas eu não te invejo;
Sou tripeira, meu Porto é um tesouro
Tem sua beleza, cidade velhinha
A Ribeira namorando o Douro
É mais portuguesa que tu, oh raínha

Perde o orgulho, oh capital / Não rias de quem é pobre
Se é na pobreza, afinal / Que vive a gente mais nobre

Tu recordas concerteza / Que para teres o conforto
Da boa carne, na mesa / Comeu as tripas, o Porto