- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Vim para o fado e fiquei

Júlio de Sousa
Repertório de Carlos do Carmo

Vim para o fado e fiquei!
Sou corda duma guitarra / A que mais geme e soluça
E em vez de vestir samarra
Uso a sombra duma capa / Que me tapa e me destapa
Se meu corpo se debruça

Se quiseres saber de mim
Onde me perco encontrado

Pergunta aos guardas da noite / Pergunta ás portas fechadas
Pergunta ás mulheres compradas / Pelo fantasma do fado

E aos fadistas também / P
orque todos me conhecem
Mas se vires que me entristecem / N
ão digas á minha mãe

Já tenho novos amigos / Que me oferecem de beber
Mas ninguém mata esta sede / Esta sede de esquecer

Vim para o fado e aqui / E
m cada noite perdida
Mais fado há na minha vida / E m
ais me lembro de ti
Do amor que não te dei

Vim para o fado e fiquei!