- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Dei-te um nome em minha cama

Vasco de Lima Couto / José António Sabrosa
Repertório de Beatriz da Conceição

Dei-te um nome em minha cama /
Aberta no meu outono
Depois amei-te em silêncio
/ Que é uma forma de abandono
Dei-te um nome em minha cama
Rasgada em lençóis de sono

Tentei ser tudo o que era / Nas horas da mão parada
Corpo e campo aberto ao vento / Que encaminha a madrugada
Tentei ser a primavera

E cantei meu triste nada

Vi-te ao canto da memória
/ Por te viver e sonhar
Amor d'amor sem glória
/ Como um rio ao começar
Que te vai contando a história

Onde eu não posso morar

Dei-te um nome em minha cama / Aberta no meu outono
Depois, amei-te em silêncio / Que é uma forma de abandono
Dei-te um nome em minha cama

Rasgada em lençóis de sono