- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O Chico do cachené

Linhares Barbosa / Miguel Ramos *fado helena*
Repertório de Fernando Farinha 

Certa vez, foi á noitinha
O Chico do cachené
Chamou-me e disse, Farinha
Vou contar-te a vida minha
Para saberes como é

Bem criado e malfadado / Os meus pais, tinham de seu
Por eles era adorado

Instruído e educado / Cheguei a andar no liceu

Eu era menino e moço / Simples como uma donzela
Mas um dia, que alvoroço

Passei à Rua do Poço / Vi a Micas, gostei dela

Vivi com ela dez anos / Duas vezes lhe puz casa
Mas os seus olhos tiranos

Vadios como dois ciganos / Fugiram, bateram asa

Hoje não tenho um afago / Um carinho, uma afeição
Sou um esquecido mal pago

E é no vinho que eu apago / O fogo deste paixão

Depois de contar-me a vida / O Chico pôs-se de pé
Pediu mais uma bebida

E uma lágrima atrevida / Caiu-lhe no cachené