- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Há festa na Mouraria

Gabriel de Oliveira / Alfredo Duarte *marcha do marceneiro* 
Repertório de Amália 

Há festa na Mouraria 
É dia da procissão 
Da Senhora da Saúde
Até a Rosa Maria Da Rua do Capelão 
Parece que tem virtude 

Naquele bairro fadista / Calaram-se as guitarradas 
Não se toca nesse dia 
Velha tradição bairrista / Vibram no ar badaladas 
Há festa na Mouraria 

Colchas ricas nas janelas 
Pétalas soltas no chão / Almas crentes, povo rude 
Anda a fé pelas vielas 
É dia da procissão / Da Senhora da Saúde 

Após um curto rumor / Profundo silêncio pesa 
Por sobre o Largo da Guia 
Passa a Virgem no andor / Tudo se ajoelha e reza 
Até a Rosa Maria 

Como que petrificada / Em fervorosa oração 
É tal a sua atitude 
Que o Rosa já desfolhada / Da Rua do Capelão 
Parece que tem virtude