- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Silêncio *deixem ouvir as guitarras*

Carlos Rocha / Frederico de Brito
Repertório de Carlos Ramos

Já noite nas horas calmas / Sózinho à luz do luar
O fado procura as almas / Que andam p’raí a cantar

Corre os bairros de Lisboa / Desce às quelhas da Moirama
Bairro Alto, Madragoa / E anda p’los becos d’Alfama

Silêncio...
Deixem ouvir as guitarras
Tangendo canções bizarras
Cantando numa voz rouca
Silêncio...
Deixem ouvir este fado
Fartinho de ter andado
Para aí, de boca em boca

Mas dizem que agora o fado / Vai pôr de parte os queixumes
Vai pôr tristezas de lado / Sem querer saber de ciúmes

Que vai andar mais tranquilo / Usar de mais altivez
Se assim é, vamos ouvi-lo / Chorar p’la ultima vez