- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.350 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Canta-me um fado

Evaldo Gouveia / Jair Amorim
Repertório de Fernando João

Recordo o Tejo e as vielas lá de Alfama
E um xaile negro em cada acorde da guitarra
A poesia que pela noite se esparrama
Eu sou fadista, eu sou soldado eu sou cigarra;
Bebo o meu vinho e
m mil taças nesta hora
Em minhas mãos, a
minha taça e o coração

Canta-me um fado, p
or favor, canta-me um fado
Canta-me um fado bem castiço e sofredor
Amália vem mostrar a todos teu reinado
Dizer num verso português o que é o amor


Meu Portugal de caravelas sonhadoras
Meu pensamento vai em busca do teu mar
Sou navegante em tuas noites sedutoras
Eu sou poeta, em teus claríssimos luares
Meu Portugal, j
oga-me um cravo da janela
E põe-me a rir e
sta saudade na lapela