- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Zé sapateiro

Letra e música de Armando Estrela
Repertório de Teresa Tarouca 

Ó Zé… tens o teu peito escavado 
Do desgosto e do calçado
Que trabalhas nesse jeito;
Com carinho contra o peito
Nesse peito sem ter fé

Ó Zé tu escolheste a liberdade
Nos copos e na saudade
E assim mesmo é como é


Ó Zé… tu tens o peito escavado
Dos sapatos do senhor
Que te deu o pontapé;
Quando quiseste ser gente
E só pudeste ser Zé

Ó Zé… tens o teu peito escavado
Dos sapatinhos da moça
Que te fez andar brejeiro;
E afinal foi só por troça
E ficaste Zé solteiro

Ó Zé… nesse peito escavado
Do desgosto e do calçado
Só te restam poucas esperanças
Com carinho contra o peito 
Sapatinhos de crianças