- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Canção das descobertas

Letra e música de João Nobre
Repertório de Berta Cardoso 

Há na praia, olhos chorando 
No mar, gente decidida
Lenços brancos acenando
Num adeus de despedida

É o Infante de Sagres
Que os manda partir ligeiros
Que a Senhora dos Milagres
Guie os nossos marinheiros

Velas erguidas, n
aus decididas vão para o mar
Saindo a barra, uma guitarra põe-se a chorar 
São marinheiros, aventureiros mais uma vez 
Que vão mostrar como este mar é português 

Olhando o mar com desdém
Ondas, ventos traiçoeiros
Nada no mundo detém
Nossos bravos marinheiros

Não há outro mais valente
Nem que valha o que ele vale
Pois só ficará contente
Dando o mundo a Portugal 

São marinheiros
Aventureiros mais uma vez
Por esse mar tão português