- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Lisboa da madrugada

Tiago Torres da Silva / Pedro Jóia
Repertório de Joana Amendoeira 

Lisboa tem um tesouro que escondeu
Numa das setes colinas pequeninas
O fado que ela aprendeu
Mais o berço onde nasceu a canastra das varinas;
Só não tem um coração porque mo deu
Perto da Rua das Trinas

Quando Lisboa chega a casa às sete da manhã
Já o Tejo anda a pedir p’ra que Lisboa se deite
E ela não fica sozinha
Porque tem uma sardinha 
E um jarrinho de azeite;
Quando Lisboa chega a casa às sete da manhã
Ainda o fado anda a pedir aos restos da madrugada
Para o levarem a casa
Porque um grãozinho na asa 
Fê-lo esquecer a morada

Lisboa tem um segredo que contou
Ao santinho da sua predileção
Mas o menino acordou
E Lisboa transformou o segredo num pregão;
E agora que Santo António autorizou
Vai contá-lo a São João

Lisboa tem um poema que escreveu
Com a espuma azul das primeras traineiras
E o que então aconteceu
Foi que a espuma dissolveu as rimas mais verdadeiras;
E só quem as soube ler e aprendeu
Foi a alma das peixeiras