As 5.150 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores !!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
<> POR FAVOR, alerte-me para qualquer erro que encontre <>
<> Ninguém sabe tudo, ninguém ignora tudo, só todos juntos sabemos alguma coisa <> PAULO FREIRE
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* Por motivos alheios à minha vontade, o motor de busca nem sempre responde satisfatóriamente *

* A seleção alfabética é da responsabilidade da blogspot !!!
* Caso necessite de ajuda envie a sua mensagem para: fadopoesia@gmail.com *
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O canto do coração

José Gonçalez / João Gil
Repertório de Cuca Roseta

Trago na voz por encanto
Numa mistura de canto / A tristeza, e a alegria
São versos dessa novela
Onde a alma se revela / Em forma de poesia

Trago um cheiro a mar nos versos
Que ficam sempre dispersos / No verde da felicidade
Que perdidos nas marés
Vêm morrer a meus pés / Como restos de saudade

Trago os bairros de Lisboa
Embarcados na canoa / Desse Tejo enamorado
E trago fases de lua
Espalhadas pela rua / Como pedaços de fado

Sei que tenho aqui ao canto
Todo vestido d' espanto
O canto do coração
Já lhe chamaram lamento
Dor, tristeza, sofrimento
Chamo-lhe apenas paixão

Trago uma tristeza breve
Quando a voz, em mim, se atreve / A roubar-me o coração
Mas é o canto da alma
Que embora triste, me acalma / As noites de solidão

E quando uma guitarra
Vai teimando ser amarra / Dos desejos prometidos
Convoco os búzios da praia
P’ra lançar na minha saia / A sorte dos meus sentidos


E volto a ser fantasia
E volto a ser alegria / Toda vestida d’espanto
Sou a voz dos meus poetas
Que encontram palavras certas / P’ra pôr nos fado que canto