- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Amor velhinho

Letra e música de Fernando Farinha
Repertório do autor

Na minha rua mora um casal de velhinhos
Numa casinha singela
Todos os dias, os dois, muito agarradinhos
Vão pôr-se junto à janela
Ela a sorrir para ele
E ele a sorrir para ela

Pela tardinha, l
á vão com passo arrastado
Ao jardim que fica ao lado
Da igreja que os casou
E quem os vê, q
uem os vê, tal como eu vejo
Diz sempre, em ar de gracejo
Deus os fez, Deus os juntou

Durante a noite, como não temem ladrões
Deixam a porta encostada
A felicidade è a riqueza dos dois
Por ninguém será roubada
E melhor que a felicidade
Não há lá dentro mais nada

Quem ali passa, pergunta sempre aos vizinhos
Se este casal de velhinhos
Teve filhos algum dia
Não têm filhos porque Deus viu lá do céu
Que o grande que lhes deu
Chega bem p'ra companhia