As 5.156 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores !!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
<> POR FAVOR, alerte-me para qualquer erro que encontre <>
<> Ninguém sabe tudo, ninguém ignora tudo, só todos juntos sabemos alguma coisa <> PAULO FREIRE
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* Por motivos alheios à minha vontade, o motor de busca nem sempre responde satisfatóriamente *

* A seleção alfabética é da responsabilidade da blogspot !!!
* Caso necessite de ajuda envie a sua mensagem para: fadopoesia@gmail.com *
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Se tu viesses hoje ter comigo

José Gonçalez / Tó-Zé Brito
Repertário de José Gonçalez

Se tu viesses hoje ter comigo
Àquela velha casa de nós dois
Ali onde a varanda era abrigo
Duns olhos pendurados ao postigo
A reclamar os sonhos p’ra depois

Se tu viesses hoje de mansinho
Sem que ninguém te visse regressar
Colhia as buganvílias do caminho
Deixava no portado um só raminho
Pra te pôr no decote, a enfeitar

Se tu viesses hoje meu amor
Se tu viesses hoje ser só minha
Sem medos, sem amarras, sem pudor
Exangue a desbravar teu corpo em flor
Podes
crer meu amor, também eu vinha

Se tu viesses hoje ao sol poente
Escondia-me na silva mais agreste
Fazia dum’amora confidente
Roubava aquele beijo mais ardente
Ali mesmo nas abas do cipreste

Se tu viesse hoje ao canteiro
Daquelas margaridas, sem defeitos
Talvez o teu cupido mais certeiro
Deixasse em minha casa, esse teu cheiro
E enchesse a cama de amores-perfeitos

Se tu viesses hoje com a lua
Que sempre vem beijar aquela malva
Roubava esse teu seio que se insinua
Espalhava rosas brancas pela rua
E dizia a toda a gente que te amava