- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Velhas saudades

Daniel Gouveia / Alfredo Duarte *marcha do marceneiro*
Repertório de Daniel Gouveia

Velhas saudades senti
Quando ’inda agora te vi
Debruçada na janela
Regavas os teus craveiros
Que floriam, prazenteiros
Ao sol da tua viela

As rosas que outrora dei
Nesse tempo em que te amei / Há muito que já murcharam
Como as promessas juradas
E por ti atraiçoadas / Que na memória ficaram

Hoje, alegre e descuidada
Na tua água furtada / Dás carinho a cada flor
Esquecida d’uma afeição
Que cortaste ainda em botão / O meu louco, eterno amor

Oiço o teu cantarolar
Que mais dor  vem acordar / Na minh’alma entristecida
Cai água da tua mão
E dos meus olhos p’ra o chão / No beco da minha vida