- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Varina dos olhos verdes

Letra e musica de Julio Vieitas
Repertório do autor

Noite de São João, nunca esqueci
Ali à Madragoa, mesmo às Trinas
A noite era de sonho quando eu vi
A mais linda, entre as mais lindas varinas

Quando a Gracinda entrou no bailarico
O Chico p'ra alcançar singelo fim
Foi ofertar-lhe um cravo e um manjerico
Depois o Chico cantou-lhe assim

Tu que és graciosa e bela... tem cautela
Morena de entontecer
Varina dos olhos verdes... se te perdes
Por ti me quero perder
Vamos saltar á fogueira
Mas no calor da braseira ... vê lá, não caias
O amor por vezes inflama
Não vá o calor da chama... queimar-te as saias

Prossegue o bailarico a noite inteira
Entre alcachofras, cravos e balões
E foi talvez assim, desta maneira
Que um par uniu p'ra sempre os corações

Se acaso vejo às vezes, a Gracinda
Quando de rua em rua ela apregoa
Com imensa saudade eu lembro ainda
A noite  linda da Madragoa