- - - - -

- - - - -
<> Clique na imagem e oiça Fado <>
- - -
Ninguém ignora tudo, ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa, todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre
PAULO FREIRE *filósofo* 19.09.1921 / 02.05.1997
- - - - -
As 5.650 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores.
- - - - -
Use o motor de busca *barra de links* para pesquisa rápida e fácil.

No peito de toda a gente

Maria Teresa Grave / Amandinho *fado alexandrino antigo*
Repertório de Duarte

O coração tem três filhos da sua mulher, saudade
São seus nomes de baptismo: amor, tristeza e maldade
Quando nasceu o amor, tão felizes da ventura
Foram logo convidar para madrinha, a ternura

Mas quando iam procurar quem servisse de padrinho
Logo calhou encontrar o ciúme no caminho
Quando nasceu a tristeza, foram logo convidar
P'ra madrinha a incerteza que logo quis aceitar

Em casa dela encontraram um filho da ilusão
P'ra padrinho o convidaram por lhe terem afeição
Quando nasceu a maldade, logo sua mãe deseja
E seu pai tem por vontade, convidarem a inveja

Sendo a Inveja madrinha, ali mesmo se presume
Convidar mais uma vez o seu marido, ciúme
Padrinhos e afilhados, ficou de futuro assente
Viverem sempre abrigados no peito de toda a gente