- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado para dois

César de Oliveira / Rogério Bracinha
Repertório de Tony de Matos

Deito-me à noite num xaile
Escondi-me nele, também
Andam as sombras num baile
Onde não dança ninguém

E no teu quarto fechado
Pecado sem pecador
Colhi um resto de fado
Que me perecia uma flor

Um fado p’ra dois
P’ra mim e p’ra ti, começa
No dia perdido que à noite regressa
Sabemos os dois que o fado depois não vai durar
Melhor é fingir, deixá-lo partir sem o cantar
Um fado p’ra dois
Poeira do meu caminho
Sem mim se sem ti fico pr’ali sozinho

Mordem a pele dos teus braços
Meus olhos negros, sombrios
As aves sabem dos espaços
Os barcos sabem dos rios

Onde os meus olhos não moram
Sei que há estrelas a luzir
Sóis que os teus olhos devoram
Numa emoção de existir