- - - - -

- - - - -
<> Clique na imagem e oiça Fado <>
- - -
Ninguém ignora tudo, ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa, todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre
PAULO FREIRE *filósofo* 19.09.1921 / 02.05.1997
- - - - -
As 5.685 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores.
- - - - -
Use o motor de busca *barra de links* para pesquisa rápida e fácil.

Panorama

Letra e música  de José Manuel de Castro
Repertório do Autor
Letra enviada pelo amigo Américo Pereira *Kalunga*

Silhuetas das ameias do Castelo
Bairro Alto sobranceiro
Venham vê-lo, venham vê-lo  que é tão belo
É Lisboa… é Lisboa

Qual cenário, centenário, qual paleta
De cenário Lisboeta
Qual poeta de vetustas cores austeras
Invocando outras eras
Qual poeta anunciando primaveras
De quimeras, de quimeras

Em contraste com o azul do céu festivo
O Castelo sempre belo
Sentinela de olhar contemplativo
Sobre o Tejo, sobre o mar

E os olhos esverdeados do São Jorge
São a graça, madrugadas
São os olhos peregrinos dos meninos
De Lisboa de Lisboa

São Alfama, Bairro Alto e Madragoa
São Mourama, são Lisboa