As 5.180 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores !!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
<> POR FAVOR, alerte-me para qualquer erro que encontre <>
<> Ninguém sabe tudo, ninguém ignora tudo, só todos juntos sabemos alguma coisa <> PAULO FREIRE
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* Por motivos alheios à minha vontade, o motor de busca nem sempre responde satisfatóriamente *

* A seleção alfabética é da responsabilidade da blogspot !!!
* Caso necessite de ajuda envie a sua mensagem para: fadopoesia@gmail.com *
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Fado das capicúas *humor*

Edmundo Ribeiro / Alves Coelho *fado do 31*
Repertório de Edmundo Ribeiro

A Micas do picolé / Sobrinha do trinta reis
Joga com o Zaricoté / No seis nove, nove seis
Num jogo descontrolado
Que é virado e revirado / Ao sabor da cheia lua
Ela afirma e até aposta
Que se joga é porque gosta / Da faina da capicua

Oh lari ló lé la
Como todos vós sabeis
A Micas do picolé só quer o noventa e seis
Oh lari ló lé la

Quer aprove ou não aprove
Também o Zaricoté só quer o sessenta e nove

Quanto á Micas do riacho / Que é sócia do José Lima
Joga p'ra cima e p'ra baixo / Joga p'ra baixo e p'ra cima
Diz a Rita dos rissóis;
Causa graça ver os dois / Sempre a andar ás arrecuas
Com amor e com carinho
A procurar o jeitinho / Para entrar nas capicúas

O Zé trombas, o cicerone / Da Rua de Alferes Malheiro
Por saber tocar trombone / Todos lhe chamam trombeiro
Sem nunca viver á míngua
Ele possui uma língua / P'ras frases estrangeiradas
Que por aquilo que sei
Já há quem lhe chame o rei / Das capicúas trombadas